biblioteca
essencial

luísa
zardo

designer gráfico

DESENHA LIVROS E PROJETOS PARA A EDITORA DUBLINENSE DESDE 2019.

71MC-QmlcvL (1)

O MESTRE E MARGARIDA,
MIKHAIL BULGÁKOV

O diabo chega em Moscou em plena era stalinista e cabeças vão rolar – literalmente. Foi o primeiro russo que li e me lembro de diversas vezes ter que interromper a leitura de tão embasbacada que fiquei: era tudo que eu procurava em um livro e nem fazia ideia. De longe o melhor livro que já li na vida.

71dGEvhlnjL._AC_SL1500_ (1)

BREVE HISTÓRIA DE QUASE TUDO,
BILL BRYSON

Bill Bryson me apresentou o quão incrível a literatura de não-ficção pode ser. Aqui ele vai tratar de diversos assuntos científicos (o título não mente, é quase tudo MESMO), mas com um humor ácido tão divertido que de repente tu vai tá dando risada lendo sobre placas tectônicas.

81z82nCFejL (1)

SOBRE OS OSSOS DOS MORTOS,
OLGA TOKARCZUK

Gosto muito de livros que trazem personagens questionadores – por que só coisas úteis devem existir? A vida de um animal vale menos do que a de um ser humano? Esse livro conversou muito comigo e a maneira como Tokarczuk consegue englobar tantos tópicos relevantes e urgentes em uma narrativa deliciosa de ler é sensacional.

512VKxyf5cL (1)

O BEM VIVER,
ALBERTO ACOSTA

Alberto Acosta foi o cara responsável por colocar os Direitos da Natureza na Constituição do Equador (!), algo até antes nunca visto. Com um discurso muito eloquente, Acosta defende o decrescimento econômico e nos convida a repensar a ideia de progresso.

717z3ytZoML (1)

VAMOS COMPRAR UM POETA,
AFONSO CRUZ

Nunca tinha parado pra ler muito os portugueses além de Saramago, mas desde que tive a oportunidade de desenvolver o projeto gráfico de alguns, me apaixonei por sua literatura – talvez porque eles tem também um pezinho no absurdismo que tanto amo na literatura russa. Esse aqui é uma ode a todas as formas de arte.

7114cMhTSTL

A HISTÓRIA DO CAMINHAR,
REBECCA SOLNIT

Em época de pouca locomoção, parece ainda mais relevante parar pra pensarmos aonde nossos pés podem nos levar. Solnit faz um estudo do ato de caminhar, de peregrinações ao mero caminhar diário, trazendo também um pouco de suas memórias, e criando assim uma narrativa super envolvente.