a sexualidade de meninas ex-crentes

bianca gonçalves

ouça

quem nasce em família religiosa sabe: tem coisas que deus gosta e tem coisa que deus proíbe.

deus gosta de saia comprida abaixo do joelho. deus gosta de cabelo sem cortar, sem desfiar e que bate na bunda. deus gosta de um lenço bem atado à cabeça. deus gosta de discrição mesmo em vestidos de festa. deus não gosta de frida kahlo, apesar de existir uma loja Frida Kahlo Moda Evangélica & Calçados. deus não gosta de quem fala língua de santo ou de qualquer menção a palavra terreiro. deus não gosta de meninas de mãos dadas ou despindo bonecas para esfregá-las uma na outra. deus não gosta de mulheres explorando sua sexualidade.

deus gosta. deus não gosta. questionando esses preceitos cristãos, a sexualidade de meninas ex-crentes subverte o que seria proibido, o que seria uma heresia, as coisas que são sagradas e aquelas que são profanas. os poemas de bianca gonçalves mostram situações corriqueiras da vida cristã, seus sacrifícios e seus sacrilégios, as revelações divinas e os conflitos… porque onde há ordem, há subversão.

o controle religioso sobre os corpos, principalmente sobre os corpos das mulheres, é a lei que tanto cria rebeldia, quanto deixa marcas difíceis de se libertar, mesmo quando o corpo está fora, todo fora da instituição religiosa, a viver da própria libido. os poemas de bianca gonçalves refletem sobre os dogmas e, com isso, apagam pouco a pouco as marcas do controle sagrado.

bianca gonçalves vai para o culto e se imagina sentada nua num banco de madeira e com essa visão faz uma poesia que é pecado, que é eternamente pecado e nós ardemos com ela. a gente separou alguns trechos de a sexualidade de meninas ex-crentes, para vocês conhecerem essa carne que se faz verbo.