ㅤ mateus

ㅤ ㅤ ㅤ baldi

é escritor e jornalista. Mestrando em Letras (PUC-Rio), criou a Resenha de Bolso, voltada para a crítica de literatura contemporânea. Colabora com diversos veículos de imprensa e foi colunista da revista Época, e editor de suas 3 edições literárias. É autor de Formigas no paraíso (Faria e Silva, 2022).

foto do artista:
Marina Martins

A1SRY1ohW9L

2666
roberto bolaño

meu livro favorito da vida, um assombro, uma bússola pros nossos tempos que fala muito do que é existir na américa latina, esse monstro.

71zFoUtbTOL

feliz ano novo
rubem fonseca

o livro que me mostrou a violência de um modo absolutamente desumano, mas escrito com uma beleza incontornável. fundamental pra compreender o que é existir numa cidade no brasil.

6413606-800-auto

como se estivéssemos em palimpsesto de putas
elvira vigna

elvira é um monstro sagrado da nossa literatura, e esse livro contém tudo que me interessa em termos de gênero, sexualidade, cidade. um livro-manifesto, quase. incontornável.

71hQGcH-cqS

uma janela em copacabana
luiz alfredo garcia-roza

o livro que me fez querer escrever. a última página, a última linha, aos 12 anos. é meu espinosa preferido e uma aula de romance policial -- e rio de janeiro -- sem perder a beleza e aquilo que nos faz mais humanos: o encanto.

A18gHjOe3fL

tudo pode ser roubado
giovana madalosso

a história é um clássico policial às avessas, mas o charme está na protagonista, de quem só sabemos o apelido: rabudinha -- a melhor personagem surgida por aqui nos últimos tempos. um livro urbano, cortante, triste na medida certa. lindo.

71sST9k8pLS

a montanha mágica
thomas mann

como traçar um painel de todo um continente às vésperas de uma guerra mundial sem perder a profundidade, o rigor e, sobretudo, a beleza? a resposta está aqui. sublime.

81tNjs-9OiL

argonautas
maggie nelson

livraço queer. sem esse livro eu certamente não seria quem sou hoje, tá tudo ali. sem contar que é uma delícia de ler, como a maggie escreve bem.

o-longo-adeus-1

o longo adeus
raymond chandler

o livro que elevou a literatura policial à categoria de arte. philip marlowe existencialista na ressaca do pós-guerra tentando sobreviver do jeito que dá. um livraço lindo, uma epopeia pelo coração doentio da humanidade.

81z5dIHdbJL

diário de viagem
albert camus

albert camus no brasil, no rio, é de chorar. poderia ter sido escrito ontem. de gargalhar tamanha precisão na leitura da cidade, de um país. uma delícia fundamental para quem gosta de pensar o caos da urbanidade.