dimitri
br

carioca de sangue paraense, faz música, escreve e performa. parceiro de poetas e compositores/as, já compôs para banda, teatro, cinema, novela, escola de samba e videogame.

autor do livro OCUPA (7Letras, 2016 – semifinalista do Prêmio Oceanos) e do álbum Todos os dias são
bons (2017), entre outras obras em texto, áudio e vídeo, reunidas em seu site

Sentimento do mundo,
Carlos Drummond de Andrade

escrevi sobre minha relação com esse livro em não conheço poetas mortos. um detalhe que me comove é que sua tiragem inicial foi de 150 exemplares, distribuídos por Drummond. acho maravilhoso que 81 anos depois ele seja tão presente – fazendo jus ao poema-manifesto mãos dadas.

Um Útero é do tamanho de um punho,
Angélica Freitas

Angélica abriu portas e apontou caminhos pra mim (e pra muita gente), ao mostrar que era possível ser experimental e acessível, política e engraçada – a tal ponto que costumo dizer, de meu primeiro livro, que “OCUPA é filho do Útero”.
 

Todas as letras,
Gilberto Gil (org. Carlos Rennó)

versões iniciais, processos de composição comentados – e as letras em si, a obra imensa e variada de Gil, inspiradora em sua liberdade de criação. décadas de músicas e de história do Brasil – este país em que Gil foi de prisioneiro/exilado político a Ministro da Cultura.

Um Teste de resistores,
Marília Garcia

conheci muito de poesia contemporânea por Marília. sua escrita, entre narrativa e ensaio, me toca por seu caráter de teste, de experimento científico, que abre furos entre real e representação. quem lê Marília depois se pega ecoando sua voz – falando não sabe se com ou como ela.

Tipos de perturbação,
Lydia Davis

indo de contos de uma linha a outros de 30 páginas, Lydia exerce a liberdade da forma com grande rigor. virou referência pra mim desde a primeira leitura, e mais ainda agora, que estou finalizando meu primeiro livro de prosa – com toda a extensão do termo que Lydia nos permitiu.

Tintim no país do ouro negro,
Hergé

primeiro livro que li ao me alfabetizar, vem aqui representar uma galeria de leituras de formação: Asterix, Mafalda, Homem-Aranha; Arsène Lupin, Série Vaga-Lume, livros-jogo; Júlio Verne, Tolkien, Asimov; Farenheit 451, Admirável mundo novo, 1984; Bestiário, Os Amores difíceis…

faixa bônus (ou uma epígrafe)

Arquivo das crianças perdidas,
Valeria Luiselli

“talvez tudo permaneça sem ser narrado, uma colagem de ambientes e vozes contando a história por conta própria, em vez de uma única voz juntando tudo à força em uma sequência narrativa limpa.”


leia também

uma conversa de felipe andré silva com antônio xerxenesky